Frankenstein - James Whale - Boris Karloff - Legendado - 1931

Close de Boris Karloff com a maquiagem do mostro
"Frankenstein ou o Moderno Prometeu", no título original, mais conhecido por Frankenstein, livro de Mary Shelley, conta a história de Victor Frankenstein, um estudante que dá vida a um monstro em seu laboratório.

Esse livro serviu de base para vários filmes, sendo o estrelado por Boris Karloff de 1931 um marco do cinema.

Detalhe da parede da torre com sua simetria "a la Caligari"
No filme, Henry Frankenstein (Colin Clive) trabalha em experiências que buscam a criação e perpetuação da vida. Seu assistente Fritz (Dwight Frye), o ajuda a reunir partes de corpos para criar uma vida "nova". Mas os seus experimentos não saem conforme planejado.

Frankenstein é uma obra-prima. A abertura já mostra a atmosfera que continua ao longo do filme. O fato de ter sido feito em um estúdio, onde o céu é pintado, por exemplo, contribui para essa atmosfera de claustro e até um um toque surrealista.
 
 


O interior da torre, onde fica o laboratório Frankenstein, é sem dúvida, inspirado na estética dos filmes expressionistas alemães, como O Gabinete do Dr. Caligari de 1920.
 
Embora possa parecer datada, a técnica de desvanecer para preto entre as cenas amplifica a sensação de "capítulos" na história e dá um sentido eficaz da passagem do tempo entre as cenas.
 


Visão geral do laboratório - aparelhagem lembra o laboratório de Metrópolis

Fritz acidentalmente quebrou o vidro onde estava o cérebro normal e levou esse aí no lugar, mas omitiu o fato ao Dr. Frankeinstein - sempre me perguntei como seria o monstro se o outro cérebro (o normal) tivesse sido usado

Uma das grandes cenas do filme















Quando a pequena Maria (Marilyn Harris) encontra o monstro na beira do lago, ela está segurando um gato, mas quando a cena passa para uma abertura maior o gatinho desaparece.

O Monstro (Karloff) e Elizabeth (Mae Clarke)

Na versão americana que passou nos cinemas, quando o monstro fica sem flores e procura algo para jogar na água, ele olha para Maria e se move em direção a ela, a cena termina aqui. Mas, como originalmente filmada, a ação continua, o monstro segura Maria, arremessando-a para o lago, em seguida, fica confuso quando Maria não consegue flutuar como as flores fizeram. Essa parte foi excluída porque os censores estadunidenses acharam-na muito violenta.





No filme originalmente lançado, na cena que Dr. Frankenstein dá vida ao Monstro proferiu a frase: "Agora eu sei o que é ser deus!" (Now I know what it's like to be god!), mas quando foi relançado - no final dos anos 30 - os censores estadunidenses exigiram que essa frase fosse removida por ser uma "blasfêmia". A solução foi inserir um forte trovão na trilha sonora. O som original foi parcialmente restaurado no lançamento em vídeo e voltou para a trilha sonora após ter sido encontrado em um disco "Vitaphone".


Assistir Frankenstein com Boris Karloff - Legendado - on line



4 comentários:

  1. A cena com a garotinha na beira do lago é muito boa.

    O Falcão Maltês

    ResponderExcluir
  2. Frankenstein é mesmo um clássico. Semana passada vi A Noiva de Frankenstein, também um excelente filme, com destaque para Elsa Lanchester encarnando a companheira do monstro. Uma pena que Mae Clarke não participou da continuação.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, estou procurando The bride of Frankenstein esse e nunca achei..

      Excluir
  3. Muito bom, um clássico é sempre ótimo de se assistir.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...